top of page
MANFREDO DE SOUZANETTO_edited.jpg

Manfredo de Souzanetto

Manfredo Alves de Souzanetto iniciou seus estudos de desenho aos 16 anos, marcando o início de uma trajetória artística multifacetada. Em 1967, mudou-se para Belo Horizonte e, dois anos depois, ingressou na Escola Guignard. Posteriormente, entre 1972 e 1975, dedicou-se ao estudo de arquitetura na Universidade Federal de Minas Gerais.

Em 1974, teve uma importante participação no 5° Salão de Arte Universitária em Belo Horizonte, onde recebeu uma bolsa para estudar na França, um marco em sua carreira. Durante seu tempo em Paris, entre 1975 e 1979, frequentou a École Nationale Louis Lumière, explorando a fotografia, e a École Nationale Supérieure des Beaux Arts, onde teve contato com diversas correntes artísticas, incluindo a pintura abstrata americana e o construtivismo russo, além de se familiarizar com o trabalho do grupo Suporte-Superfície.

Retornando ao Brasil em 1980, estabeleceu-se no Rio de Janeiro e ingressou na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro no ano seguinte, concluindo o curso de gravura. Durante a década de 1980, seu trabalho evoluiu para telas e madeiras recortadas em formas geométricas, nas quais aplicava pigmentos obtidos de amostras de terra de Minas Gerais.

Em 1985, foi contemplado com o prêmio de viagem ao exterior no 8° Salão Nacional de Artes Plásticas, promovido pela Funarte, consolidando ainda mais sua carreira internacional. Destaque-se também sua residência artística na École Nationale Supérieure d'Art Décoratif de Limoges-Aubusson, na França, entre 1999 e 2000.

A obra de Manfredo de Souzanetto é marcada por uma inspiração profunda na paisagem de Minas Gerais, utilizando frequentemente a terra mineira como pigmento. Suas criações possuem um caráter geométrico e evocam paisagens, explorando os jogos entre os vazios e os planos de formas e cores. Sua produção também se relaciona com premissas do movimento neoconcreto e com o Support-Surface, evidenciando sua contribuição singular para a arte contemporânea brasileira.

bottom of page