© 2015 Sala Rússia

 Av. 9 de Julho 5593, conj. 14 | Jardim Paulista, São Paulo - SP

China trava leilões públicos de arte. Escultura Cinética

08/31/2015

Por Hugo Real

30.08.2015  17:08

para Correio da Manhã.

 

USA lideram vendas de arte com mais de 2,55 mil milhões.

 

‘O Homem que Aponta’, de Alberto Giacometti, é a escultura mais cara de sempre

 

No primeiro semestre deste ano os leilões públicos de arte renderam, a nível mundial, mais de 6,9 mil milhões de euros, uma quebra de 365 milhões face aos mesmos meses do ano passado, revela um relatório da Artprice, que reúne dados do mercado de arte e das vendas de leilões. A quebra justifica-se devido à diminuição do mercado chinês que, inclusive, perdeu a primeira posição global para os Estados Unidos. As praças norte-americanas, sobretudo Nova Iorque, registaram vendas totais de 2,55 mil milhões de euros (subida de 20%), enquanto que na China a quebra, superior a 910 milhões (cerca de 30%), atirou o volume de vendas de arte para os 1,7 mil milhões de euros. Com estes dados, Inglaterra aproximou-se do segundo lugar do ranking, a cerca de 90 milhões de distância da China. Em termos das cidades com mais vendas, e depois de Nova Iorque, seguem-se Londres, Pequim, Hong Kong e Paris. A nível global refira-se ainda que o número de peças vendidas caiu em 17%, um valor muito superior à diminuição de 5% do valor feito com as compras. A Artprice diz que a crise económica afetou este negócio entre janeiro e junho, mas as novas medidas anticorrupção também tiveram impacto, já que, explica, obrigaram os investidores a maiores cuidados. De referir que o ano de 2014 é, até à data, o melhor de sempre para a venda de arte em leilões. No total, as peças vendidas garantiram um encaixe total de 13,9 mil milhões de euros.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/cultura/detalhe/china_trava_mercado.html

Please reload